Tocantins

Professores do Tocantins participam de formação da Olimpíada de Língua Portuguesa

  • Publicado em 23/Out/2018 às 22h39 ( atualizado às 22h40).

Participaram da formação da Olimpíada de Língua Portuguesa (OLP), em Palmas, nesta terça-feira, 23, cerca de 160 professores. A formação é composta por quatro gêneros textuais: crônica, artigo de opinião, memórias literárias e poema. O objetivo geral da formação foi fornecer aos multiplicadores subsídios teórico-práticos sobre o processo de ensino da leitura e da escrita, a partir dos materiais da OLP.

Destacaram-se como objetivos específicos a exploração dos quatro gêneros textuais que fazem parte da Olimpíada de Língua Portuguesa, possibilitando a reflexão sobre o ensino de leitura e escrita com foco em gêneros textuais; o desenvolvimento das competências para a utilização do material da competição; o conhecimento dos materiais do Programa Escrevendo o Futuro como os cadernos, almanaques, portal da OLP; e o conhecimento das bases teórico-metodológicas dos cadernos.

A Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc), em parceria com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e Universidade Federal do Tocantins (UFT), proporcionou a formação para os professores de todos os municípios tocantinenses.

Cada gênero trabalhado na formação foi direcionado a turmas específicas. O gênero poema é destinado para 5º e 6º ano do ensino fundamental; memórias literárias para as turmas de 7º e 8º ano do ensino fundamental; crônica para 9º ano do ensino fundamental e 1ª série do ensino médio; Artigo para 2ª e 3ª série do ensino médio.

Segundo Roseli Bitzcof de Moura, coordenadora da OLP no Tocantins, os gêneros textuais trabalhados na formação fazem parte do conteúdo presente no referencial curricular do Estado. “O professor não precisa parar com o seu planejamento de aula para aplicar os conteúdos da Olimpíada, pois os conteúdos já fazem parte do currículo da escola. Os professores que estão participando dessa formação irão repassá-la para os outros que não tiveram como se descolarem. Todos terão a oportunidade de conhecer o material trabalhado nessa formação”, destacou.

De acordo Ângela Fuza, responsável pela organização da formação da OLP no Tocantins e formadora com o gênero artigo de opinião, a indicação desse gênero para as séries finais é mais apropriada. “Para o trabalho com esse gênero é indicado que se trabalhe questões polêmicas. Dessa forma, os estudantes com mais idade são os mais indicados para esse debate. Entretanto, pode-se trabalhar o artigo de opinião em qualquer ano escolar, com as adaptações e respeito aos níveis dos estudantes”, ponderou.

Para Leila Alves Santos, professora da rede municipal no município de Cariri do Tocantins, a formação ajuda a melhorar o desempenho em sala de aula. “Enriquece e proporciona subsídios para o desenvolvimento da prática pedagógica dentro da sala de aula”, pontuou.

Conforme Sandra Arantes, professora de língua portuguesa do Colégio Estadual São José, de Palmas, a formação traz reflexão excelente sobre o gênero crônica. “Os aspectos abordados nesse gênero contribuem bastante para a aplicação prática com os alunos. Vamos trabalhar com os tons reflexivo e lírico dentre outras características”, finalizou.



Fonte Secom