Goiás

Secretária de Saúde de Porangatu rebate críticas feitas por ex-vereador Genilton Pinto

  • Publicado em 10/Jan/2019 às 22h48 ( atualizado às 23h35).



Secretária de Saúde de Porangatu, Carla Marques de Oliveira. Foto: Divulgação

A secretária de Saúde de Porangatu Carla Marques de Oliveira rebateu as críticas feitas pelo ex-vereador Genilton Carlos Pinto, sobre a qualidade do atendimento e os valores repassados pelos governos federal e Estadual para manter o Hospital Regional funcionando. O vídeo postado nas redes sociais faz duras críticas aos serviços oferecidos na unidade.

Segundo a secretária, o Hospital Regional recebe um valor insuficiente para atender a demanda e que todas as prestações de contas dos recursos recebidos e gastos são fiscalizados por um conselho composto inclusive com integrantes do legislativo municipal. “O problema é que a gente tem um hospital com financiamento para atender 45 mil pessoas e atende a região Norte e o sul do Tocantins inteiro. Atendendo em média 220 mil pessoas. Fica difícil trabalhar com orçamento de cidade pequena de 45 mil pessoas e atender uma região inteira. As prestações de contas são feitas a cada quadrimestre em sessão de audiência pública na câmara municipal. Existe conselho municipal de saúde que fiscaliza. As contas da saúde são abertas todos os meses dentro do conselho para qualquer pessoa da comunidade ir lá e ver. Não tem necessidade de armar circo em porta de prédio público, quando a campanha só é em 2020, até porque o Tribunal de Contas aprovou as contas de 2017”, disse.

Ainda segundo a secretária, o ex-vereador Genilton Pinto, esteve na administração do hospital no ano de 2015, como diretor geral e enfrentou as mesmas dificuldades. “Essa pessoa já esteve na administração desse hospital e nunca fez nada por ele. Se fez foi pouco com esse financiamento. E nunca foi criticado por isso. Cada um faz na medida do possível”, comentou.



A secretaria apresentou uma planilha mostrando o montante que é repassado para a manutenção do Hospital Municipal e quanto cada município da região Norte fica devedor para o município de Porangatu. Anunciou também que em 2019 os repasses de recursos do governo federal irão aumentar melhorando o atendimento aos pacientes vindos de várias cidades da região. “Nos demos uma entrada no Ministério da Saúde e conseguimos implemento para melhorar o financiamento do Hospital. E através desses municípios que são atendidos aqui, esperamos que eles passem esses recursos porque Porangatu não tem condições de bancar 14 cidades vizinhas e o sul do Tocantins sozinho com o próprio dinheiro”, explicou.



O portal teve acesso ao relatório de gastos do Hospital Municipal de Porangatu. Secretária de Saúde afirma que prestação de contas de 2017 foi aprovada pelo Tribunal de Contas. 


De acordo com Cleidiomar Mendes de Souza do departamento de contabilidade e planejamento da prefeitura, o Governo do Estado passou apenas R$ 73 mil para a equipe prisional durante o ano de 2018. Em 2017, foi repassado pelo Estado R$ 2 milhões. Dos 17 milhões mencionados no vídeo pelo ex-vereador, R$ 4 milhões é repassado direto para as clinicas de hemodiálise, e também para o Samu. “O total das despesas da saúde até agora foi 29 milhões e a arrecadação foi de R$ 17 milhões. Só no hospital foram gastos quase R$ 9 milhões. Esse pessoal fala quanto arrecadou, mas nunca quanto o hospital gastou”, finalizou.
 
Veja o vídeo publicado pelo ex-vereador Genilton Pinto.