Goiás

Protestos de servidores com salário atrasado se espalham pelo Estado

Em Porangatu, Norte do Estado, cartazes foram fixados na frente da UEG cobrando o governador o salário de dezembro. Nas redes sociais sobram críticas contra as alternativas apresentadas pelo Estado.

  • Publicado em 11/Jan/2019 às 09h57 ( atualizado às 10h28).

Da redação com informações do Jornal Opção



Manifestação de servidores em Goiânia. Foto: Jornal Opção

Com o salário de dezembro em atraso, os servidores do Estado de Goiás realizam nesta sexta-feira, 11, reuniões e manifestações contra o não pagamento da folha de dezembro. Ontem, o governador Ronaldo Caiado (DEM) anunciou uma série de medidas emergenciais que geraram mais críticas que elogios.

Entre as providências adotadas por Caido, está o pedido de ajuda para que as prefeituras avalizem supermercados e farmácias para venderem fiado para os servidores com salário atrasado. Outra medida foi a de cancelar cobrança do Ipasgo e de multas do Detran e Saneago.

No entanto a atitude do governador, não agradou os servidores. “Comprar fiado? Isso não existe não. Como vamos pagar nossas outras contas? E a energia?” Não concordamos com isso”, afirma o professor Thiago Oliveira.

Os servidores da educação estão reunidos em manifestação na manhã desta sexta-feira, 11, em frente à Secretaria Estadual de Educação, Cultura e Esportes (Seduce).
A presidente do Sindsaúde, Flaviana Alves avalia a medida “sem pé nem cabeça”. “Como que vamos chegar num supermercado e comprar fiado? Quem é que vai vender? Isso não tem cabimento”, analisa.



Para ela, a suspensão de cobrança do Ipasgo já era óbvia, mas acredita que a situação pode desencadear novos problemas. “É claro que não ter desconto já que não temos salários. Agora, sem receber, daqui uns dias é o Ipasgo que vai começar com as paralisações”, prevê.

Flaviana e outros representantes de entidades sindicais também estão reunidos na manhã de hoje para deliberar a situação dos servidores. Para a presidente do Sindsaúde, se até o dia 20 o governador não voltar atrás na questão do parcelamento do salário e de quitar a folha de janeiro antes da de dezembro, pode haver greve geral dos servidores.



UEG - Câmpus de Porangatu amanheceu com cartazes pedindo o pagamento do salário de dezembro. Foto: Redes sociais

Em Porangatu, Norte do Estado, cartazes foram fixados na frente da UEG cobrando o governador o salário de dezembro. Nas redes sociais sobram críticas e manifestações de apoio aos servidores sem salários do Estado.