Claudemir Brito - Portal de Notícias do Tocantins e Goiás Coronavírus: pandemia já causa impacto no comércio em Goiás

Goiás

Coronavírus: pandemia já causa impacto no comércio em Goiás

Comerciantes e entidades se preocupam com quantidade de pessoas nas ruas

  • Publicado em 16/Mar/2020 às 23h21 ( atualizado às 23h22).

As recentes medidas tomadas pelo governo do estado para prevenir o contágio pelo novo coronavírus causaram impacto direto no comércio. O cancelamento das aulas e eventos que causem aglomeração de pessoas reduziu a quantidade de pessoas nas ruas, e os comerciantes começam a ficar preocupados.

O presidente da Federação do Comércio do Estado de Goiás (Fecomercio), Marcelo Baiocchi, afirma que o período será difícil para o comércio. “As ruas estão vazias, proporcionalmente para uma segunda. Na atual situação que estamos vivendo, o comércio sofrerá muito. Torcemos para que isso passe logo”, ressaltou

Marcelo afirmou ainda que é difícil afirmar o tamanho do prejuízo, mas que as empresas podem não resistir a um longo período sem vendas. “Hoje que começou nos atingir diretamente com o fechamento de escolas e possibilidade de fechamento de algumas áreas de comércio e até mesmo shoppings. A preocupação desse período prolongar é se as empresas suportarão ficar sem vender”, concluiu.

O comércio na 44
A redução de pessoas nas ruas também afetou a região da 44. O maior polo comercial da região centro-oeste percebeu uma sensível redução na quantidade de clientes.

A lojista Eliete Silva Fonseca afirma que a redução nas vendas já está causando diminuição na produção. “Nossa demanda foi muito pouca. Muita gente está comentando que não quer ir para a 44 por causa do tumulto. Muitas lojas aqui são pequenas, não possuem ambiente climatizado e tem uma aglomeração muito grande de pessoas. Decidimos até diminuir a produção”, comentou.

A lojista ressaltou ainda que o efeito também foi sentido na feira hippie. “Não tinha ninguém lá no domingo. Foi muito visível. Normalmente as pessoas vão nem que seja pra ficar atoa. E essa é a segunda semana do mês de março. Já é a época das coisas subirem depois do carnaval, mas foi bem pesado. Até o número de ônibus diminuiu”, concluiu.

O presidente da Associação Empresarial da Região da 44 (AER44), Jairo Gomes, afirmou em entrevista ao Mais Goiás que houve sim uma redução significativa, mas que isso já era esperado pelos lojistas. “O Brasil inteiro passa por essa situação. É natural que as pessoas queiram ficar em casa nessa época. Estamos preparados para uma diminuição no fluxo até que as autoridades consigam resolver a situação”.

Fechamento da 44
Jairo comentou também sobre o possível fechamento da região da 44. Segundo ele, esse foi um pedido do governador Ronaldo Caiado (DEM). A decisão, entretanto, não está tomada e que o diálogo entre a AER44 e o governo continua.

“Estamos dialogando. Não há nada definido. O governador fez um pedido e falei para ele que reuniríamos os filiados. A decisão não está tomada. Somos parceiros do governo e entendemos a situação, mas temos que ter calma”, disse o presidente.

Jairo disse ainda que não há como calcular o prejuízo caso o comércio seja realmente suspenso na região. “Estamos falando do maior polo de confecção do Brasil. Fechar tudo por 15 dias seria um prejuízo gigantesco”, ressaltou.

Fonte: EmaisGoiás