Política

Vice-prefeito Patil (PDT) é preso após denúncia de descumprimento de medidas judiciais por crime de peculato cometido em 2004

  • Publicado em 15/Sep/2020 às 08h25 ( atualizado às 08h36).



Patil foi condenado pela justiça e foi apenado em regime aberto, mas não estava cumprindo as condições impostas pela justiça para ele não ficar em prisão domiciliar, porém ele não cumpriu as condições e houve a revogação de benefícios e foi decretado a regressão de regime e expedição de mandato de prisão por conta de uma condenação que encontra-se em execução penal.

Conforme decisão da justiça, Patil chegou a participar de audiência admonitória, realizada no dia 18 de março de 2020 ficou expressamente advertido, como condição para substituição da sua pena restritiva de liberdade a “Proibição de tirar fotos, subir em palanques, apresentar-se em eventos referentes ao Município de Peixe, ou relacionar sua imagem seja por foto, áudio ou vídeo com qualquer propaganda oficial ou promovida nas redes sociais particulares dos gestores de Peixe, além de outras”.



“Em nosso entender, mais uma vez teria o apenado descumprido condições de substituição de pena. Não há dúvidas de que o comportamento do apenado arranha a imagem de todo o sistema judicial, já que o condenado, homem público que é, comporta-se como se estivesse quite com a Justiça, o que não é verdade”, considerou o Ministério Público.

Sobre o caso
O Patil foi condenado em novembro de 2019 a três anos de pena em regime aberto por peculato por ter se apropriado de rodas e pneus de veículo da Prefeitura de Peixe no ano de 2004, enquanto era vereador da cidade.
Informações Portal Atitude Tocantins